Test-Driven Development no Rails: Unit Tests


Leia em 22 minutos

Todo mundo fala que Test-Driven Development aumenta sua produtividade, reduz a quantidade de erros do seu código e deixa todo mundo mais feliz. O quem ninguém fala é como fazer isso, quando você não conhece nada de testes. Por isso, resolvi escrever este texto, mostrando o pouco que aprendi nas últimas semanas sobre esse tema.

Test-Driven Development (TDD) — Desenvolvimento Orientado a Testes ou Desenvolvimento Guiado por Testes — é uma técnica de desenvolvimento de software onde primeiro são criados os testes e somente depois é escrito o código necessário para passar por eles. Dessa maneira, você escreverá códigos melhores e, o que é mais importante, muito mais rapidamente. Veja como é o ciclo de TDD, segundo o livro Test-Driven Development by Example, de Kent Back (ISBN-0321146530):

  1. Crie um teste: Cada nova funcionalidade deve começar com um teste escrito. Este teste deve falhar antes da funcionalidade ser implementada. Você deve conhecer claramente os requisitos e especificações da funcionalidade.
  2. Execute todos os testes: Você saberá que a rotina de testes está funcionando corretamente e que o novo teste não passou sem que o teste da funcionalidade tenha sido implementado.
  3. Escreva o código: Escreva o código que irá passar naquele teste que você criou na etapa anterior, sem se preocupar em torná-lo elegante/otimizado. É muito importante que o código implementado reflita somente o teste escrito.
  4. Execute novamente todos os teste: Se todos os testes passarem, você terá certeza que o código atende todos os requisitos testados e que esta nova funcionalidade não afetou outras partes do sistema.
  5. Refatore o código: Agora você pode "limpar" o código, se for necessário. Lembre-se de executar os testes constantemente durante esta etapa, pois só assim você saberá se o sistema não foi modificado de maneira incorreta, gerando erros.

Os testes, quando devidamente implementados, oferecem uma certa "garantia" de que a aplicação está funcionando da maneira como deveria.

TDD no Rails

Este texto não tem a pretensão de ser o "guia definitivo" de TDD; ao invés disso, você verá uma abordagem simples e direta do assunto, utilizando Ruby on Rails. Não irei explicar detalhadamente como desenvolver em Rails; para isso você tem outras fontes um tanto quanto completas.

O que é um teste?
Teste é um método que contém asserções — segundo o dicionário Houaiss, asserção significa "afirmação categórica" — e que representam um cenário de testes em particular. Um teste só passará caso todas as asserções sejam verdadeiras.
No Ruby, um teste é um método iniciado por "test"; assim, você pode nomear seu método como "test_", "testing_", "testando_", e por aí vai!

O Rails trabalha com alguns tipos diferentes de testes. Existem os testes unitários que são responsáveis pelos testes de modelos; existem os testes funcionais, responsáveis por testar os controllers; e, por último, temos os testes de integração, responsáveis por testar múltiplas camadas de seu aplicativo e a integração entre elas.

O teste unitário será, provavelmente, o primeiro lugar onde você irá trabalhar em qualquer projeto. Isso acontece porque não é preciso escrever muito código — vou além e digo que não é preciso escrever nenhum código — para se criar tais testes, a não ser o próprio teste.

Quando estamos fazendo TDD, é importante que todos os seus testes iniciais não passem na validação, pois você precisa identificar os itens a serem validados para depois corrigi-los. Você deve também criar pelo menos um teste que passe na validação.

Nosso exemplo

Nós vamos criar um sistema de blog — muito mais poderoso que o Wordpress :P — totalmente feito em Rails. Então, a primeira coisa que temos que fazer é pensar nos requisitos de nosso projeto. Isso é importante, pois permite ter uma visão melhor do que precisa ser feito. Obviamente, podemos ajustar tais requisitos ao longo do tempo. A princípio, nosso blog deve:

Completo, não? :)

Para começar, vamos criar nossa aplicação. Digite o comando rails blog. Nosso projeto será criado e a lista dos arquivos será exibida. Iremos, então, criar nosso banco de dados — MySQL, neste exemplo — tanto de desenvolvimento quanto de testes. Se você não se sente confortável com a linha de comandos, faça da maneira como está acostumado.

~$ mysqladmin -u root create blog_development
~$ mysqladmin -u root create blog_test

Abra o arquivo "config/database.yml" e insira o usuário e senha que terão acesso aos bancos de dados. Meu arquivo se parece com isso:

development:
  adapter: mysql
  database: blog_development
  username: root
  password:
  socket: /var/run/mysqld/mysqld.sock

test:
  adapter: mysql
  database: blog_test
  username: root
  password:
  socket: /var/run/mysqld/mysqld.sock

production:
  adapter: mysql
  database: blog_production
  username: root
  password:
  socket: /var/run/mysqld/mysqld.sock

É muito importante que você defina 2 bancos diferentes para desenvolvimento e testes, uma vez que o banco de dados "testes" é apagado quando estamos testando nossa aplicação.

Quando nosso desenvolvimento é orientado a testes, você inicialmente só cria os modelos e, logo depois, parte para os testes. Controllers? Não, agora. Você só irá criá-los muito mais à frente. Vamos trabalhar inicialmente no modelo "usuário".

~/blog$ script/generate model User
      exists  app/models/
      exists  test/unit/
      exists  test/fixtures/
      create  app/models/user.rb
      create  test/unit/user_test.rb
      create  test/fixtures/users.yml
      create  db/migrate
      create  db/migrate/001_create_users.rb

O Rails nos permite trabalhar com DDLs muito facilmente através das migrations. Então, neste texto não iremos lidar com SQL diretamente, mas Ruby.

Abra o arquivo "db/migrate/001_create_users.rb". Nossa tabela de usuários terá os campos "name", "email" e "password". Sua migração deverá ser algo como:

class CreateUsers < ActiveRecord::Migration
  def self.up
    create_table :users do |t|
      t.column :name, :string, :null => false
      t.column :email, :string, :null => false
      t.column :password, :string, :null => false
    end
  end

  def self.down
    drop_table :users
  end
end

Execute o comando rake db:migrate para criar a tabela "users".

~/blog$ rake db:migrate
(in /home/nando/blog)
== CreateUsers: migrating =====================================================
-- create_table(:users)
   -> 0.0035s
== CreateUsers: migrated (0.0037s) ============================================

Com a tabela criada, podemos meter a mão na massa!

Abra o arquivo "test/unit/user_test.rb", que foi gerado automaticamente quando criamos nosso modelo. Uma das vantagens de se desenvolver em Rails é justamente esta; é tão simples de se criar testes para uma aplicação, com arquivos criados automaticamente, que você deve se sentir envergonhado de não fazê-lo.

Este arquivo possui uma única asserção chamada test_truth. Apesar de parecer inútil, ela ajuda a corrigir algumas configurações do ambiente, como quando o banco de dados de teste não existe, por exemplo.

require File.dirname(__FILE__) + '/../test_helper'

class UserTest < Test::Unit::TestCase
  fixtures :users

  # Replace this with your real tests.
  def test_truth
    assert true
  end
end

Para rodarmos nossos testes unitários, devemos executar o comando rake test:units. O Ruby irá executar os testes unitários e receberemos uma resposta como esta:

Started
.
Finished in 0.03095 seconds.

1 tests, 1 assertions, 0 failures, 0 errors

Esta resposta é bastante direta e fácil de entender. Cada ponto exibido na tela (logo abaixo da linha "Started") representa um teste que passou. Temos também uma linha que nos diz que foi executado 1 teste, com 1 asserção, mas que não retornou erro ou falha.

O teste que vem por padrão não faz muita coisa, então vamos criar o nosso! Nosso primeiro modelo a ser testado é o User. Alguns testes possíveis são:

Podemos escrever um teste genérico para ver se o usuário é criado quando não passamos nenhuma informação.

def test_should_be_invalid
  user = User.create
  assert !user.valid?, "User shouldn't be created"
end

Primeiro, nós criamos um usuário (User.create) sem passar nenhuma informação. Se nosso modelo tivesse uma validação utilizando os métodos disponíveis do ActiveRecord, o método user.valid? retornaria false e nossa aplicação passaria nos testes. Rodando os testes temos uma surpresa:

~/blog$ rake test:units
Started
F
Finished in 0.050156 seconds.

  1) Failure:
test_should_be_invalid(UserTest) [./test/unit/user_test.rb:8]:
User shouldn't be created.
<false> is not true.

1 tests, 1 assertions, 1 failures, 0 errors
rake aborted!

Alguma coisa não está funcionando direito! Nosso teste deveria receber false do método valid?, o que não aconteceu. Não se preocupe em fazer o teste passar. Lembre-se que antes devemos criar os outros testes. Vamos, então, criar cada um dos testes em separado.

Não sei se você notou, mas ficou complicado entender a condição assert !user.valid? no teste que criamos. Para estes casos, podemos utilizar helpers, semelhantes ao que utilizamos nas views, mas que aqui são específicos para os testes. Abra o arquivo "tests/test_helper.rb" e adicione os métodos abaixo:

def deny(condition, message='')
  assert !condition, message
end

def assert_invalid(record, message='')
  deny record.valid?, message
end

O método deny faz a negativa de assert e o método assert_invalid apenas dá uma força, evitando que tenhamos que explicitar o .valid? toda vez. Não se preocupe em verificar se o método valid? existe ou não; nos testes, assumimos um ambiente e ele deve ser verdadeiro e, caso não seja, investigamos as causas do erro que foi apontado para então corrigí-lo.

Troque o método test_should_be_invalid que criamos anteriormente por este que utiliza nossos helpers.

def test_should_be_invalid
  user = User.create
  assert_invalid user, "User shouldn't be created"
end

Muito melhor, certo? E assim, você vive sem a culpa de ir contra o princípio DRY

Agora, temos que adicionar outros testes. Antes disso, já prevendo mais um pouco de repetição, vamos criar um método chamado create para nos ajudar. É assim que sua classe de testes deve estar neste momento.

require File.dirname(__FILE__) + '/../test_helper'

class UserTest < Test::Unit::TestCase
  fixtures :users

  def test_should_be_invalid
    user = create(:name => nil, :email => nil, :password => nil)
    assert_invalid user, "User shouldn't be created"
  end

  private
    def create(options={})
      User.create({
        :name => "Homer Simpson",
        :email => "homer@simpsons.com",
        :password => "test"
        }.merge(options))
    end
end

O método create será responsável por definir os valores padrão para os campos. Assim, não teremos que digitá-los toda vez que quisermos adicionar um teste.

Os outros testes que iremos criar irão verificar as condições impostas lá em cima. Vamos começar pelo teste que verifica se o nome foi informado.

def test_should_require_name
  user = create(:name => nil)
  assert user.errors.invalid?(:name), ":name should be required"
  assert_invalid user, "User shouldn't be created"
end

Não mudou muita coisa do primeiro teste que fizemos. Apenas adicionamos mais uma asserção que verifica se o campo "name" é inválido. No ActiveRecord, temos os métodos validates_* que necessitam do nome do campo; toda vez que uma validação não passa, um erro é adicionado ao campo. Além de verificar se nosso campo possui um erro, poderíamos verificar se uma mensagem também foi definida. A seguinte asserção faz justamente isso.

assert_not_nil user.errors.on(:name), ":name should have had a error message"

E os outros testes:

require File.dirname(__FILE__) + '/../test_helper'

class UserTest < Test::Unit::TestCase
  fixtures :users

  def test_should_be_invalid
    user = create(:name => nil, :email => nil, :password => nil)
    assert_invalid user, "User shouldn't be created"
  end

  def test_should_require_name
    user = create(:name => nil)
    assert user.errors.invalid?(:name), ":name should be required"
    assert_invalid user, "User shouldn't be created"
  end

  def test_should_require_email
    user = create(:email => nil)
    assert user.errors.invalid?(:email), ":email should be required"
    assert_invalid user, "User shouldn't be created"
  end

  def test_should_deny_bad_email
    user = create(:email => 'bad@format')
    assert user.errors.invalid?(:email), ":email should be in a valid format"
    assert_invalid user, "User shouldn't be created"
  end

  def test_should_require_password
    user = create(:password => nil)
    assert user.errors.invalid?(:password), ":password should be required"
    assert_invalid user, "User shouldn't be created"
  end

  def test_should_require_longer_password
    user = create(:password => 't')
    assert user.errors.invalid?(:password), ":password should be 4 characters or longer"
    assert_invalid user, "User shouldn't be created"
  end

  def test_should_deny_duplicate_user
    user = create
    assert_valid user

    user = create
    assert_invalid user, "User shouldn't be created"
  end

  private
    def create(options={})
      User.create({
        :name => "Homer Simpson",
        :email => "homer@simpsons.com",
        :password => "test"
        }.merge(options))
    end
end

Execute os testes e veja que uma longa lista de erros irá aparecer.

~/blog$ rake test:units
Loaded suite /usr/lib/ruby/1.8/rake/rake_test_loader
Started
F.FFFFFF
Finished in 0.073839 seconds.

  1) Failure:
test_should_be_invalid(UserTest)
    [./test/unit/../test_helper.rb:29:in `deny'
     ./test/unit/../test_helper.rb:33:in `assert_invalid'
     ./test/unit/user_test.rb:8:in `test_should_be_invalid']:
User shouldn't be created.
<false> is not true.

  2) Failure:
test_should_deny_bad_email(UserTest) [./test/unit/user_test.rb:25]:
:email should be in a valid format.
<false> is not true.

  3) Failure:
test_should_deny_duplicate_user(UserTest)
    [./test/unit/../test_helper.rb:29:in `deny'
     ./test/unit/../test_helper.rb:33:in `assert_invalid'
     ./test/unit/user_test.rb:46:in `test_should_deny_duplicate_user']:
User shouldn't be created.
<false> is not true.

  4) Failure:
test_should_require_email(UserTest) [./test/unit/user_test.rb:19]:
:email should be required.
<false> is not true.

  5) Failure:
test_should_require_longer_password(UserTest) [./test/unit/user_test.rb:37]:
:password should be 4 characters or longer.
<false> is not true.

  6) Failure:
test_should_require_name(UserTest) [./test/unit/user_test.rb:13]:
:name should be required.
<false> is not true.

  7) Failure:
test_should_require_password(UserTest) [./test/unit/user_test.rb:31]:
:password should be required.
<false> is not true.

8 tests, 9 assertions, 7 failures, 0 errors

Foram executados 8 testes, com 9 asserções, sendo que 7 falharam. O único teste que passou foi test_should_create_user, como era de se esperar. O que temos que fazer agora? Criar o código que irá passar nestes testes. No caso dos testes unitários isso é bastante simples. Você trabalha basicamente com modelos, então, abra o arquivo "app/models/user.rb". Você não precisa resolver os testes que falharam na ordem em que foram exibidos. Comece pelo que você julgar ser mais simples e com menor dependência. Que tal começarmos pela falha 4: :email should be required. Esta falha é bastante simples de se resolver, bastando que você coloque o método validates_presence_of no modelo. Por equivalência, também podemos resolver as falhas 6 e 7.

class User < ActiveRecord::Base
  validates_presence_of :email
  validates_presence_of :name
  validates_presence_of :password
end

Execute os testes Agora você verá que 12 asserções foram executadas mas que apenas 3 falharam. Muito mais interessante que o nosso teste anterior!

~/blog$ rake test:units
Loaded suite /usr/lib/ruby/1.8/rake/rake_test_loader
Started
..FF.F..
Finished in 0.065069 seconds.

  1) Failure:
test_should_deny_bad_email(UserTest) [./test/unit/user_test.rb:25]:
:email should be in a valid format.
<false> is not true.

  2) Failure:
test_should_deny_duplicate_user(UserTest)
    [./test/unit/../test_helper.rb:29:in `deny'
     ./test/unit/../test_helper.rb:33:in `assert_invalid'
     ./test/unit/user_test.rb:46:in `test_should_deny_duplicate_user']:
User shouldn't be created.
<false> is not true.

  3) Failure:
test_should_require_longer_password(UserTest) [./test/unit/user_test.rb:37]:
:password should be 4 characters or longer.
<false> is not true.

8 tests, 12 assertions, 3 failures, 0 errors

Vamos validar o atributo password: ele não deve ter menos que 6 caracteres. Basta adicionar o validador abaixo ao seu modelo.

validates_length_of :password, :minimum => 4

Mais uma vez, execute os testes. Apenas 2 testes falharam: test_should_deny_bad_email e test_should_deny_duplicate_user. Para, finalmente, passar por todos os testes, adicione os métodos abaixo.

validates_uniqueness_of :email, :case_sensitive => false
validates_format_of :email, :with => /^([^@\s]+)@((?:[-a-z0-9]+\.)+[a-z]{2,})$/i

Ao executar os testes, teremos uma resposta muito mais agradável!

~/blog$ rake test:units
Loaded suite /usr/lib/ruby/1.8/rake/rake_test_loader
Started
........
Finished in 0.082506 seconds.

8 tests, 14 assertions, 0 failures, 0 errors

Sim! Todos os nossos testes passaram e não sei se você percebeu mas o esforço foi praticamente nulo. Agora, seguindo nossos requisitos, iremos implementar os posts.

No modelo Post, devemos escrever testes para validar os seguintes itens:

Como ainda não temos o modelo Post, vamos criá-lo:

script/generate model Post

Abra o arquivo de migração 002_create_posts.rb e adicione o código abaixo.

class CreatePosts < ActiveRecord::Migration
  def self.up
    create_table :posts do |t|
      t.column :title, :string, :limit => 250, :null => false
      t.column :excerpt, :string, :limit => 250, :null => true
      t.column :body, :text, :null => false
      t.column :created_at, :datetime
      t.column :updated_at, :datetime
      t.column :allow_comments, :boolean, :default => true, :null => false
      t.column :user_id, :integer, :null => false
    end
  end

  def self.down
    drop_table :posts
  end
end

O código acima dispensa maiores explicações. Execute o comando rake db:migrate para criarmos a tabela de posts.

~/blog$ script/generate model Post
      exists  app/models/
      exists  test/unit/
      exists  test/fixtures/
      create  app/models/post.rb
      create  test/unit/post_test.rb
      create  test/fixtures/posts.yml
      exists  db/migrate
      create  db/migrate/002_create_posts.rb

Já podemos criar os testes necessários para validar o modelo de posts. Como nossos testes dependem do modelo User — o post pertece a um autor — temos que carregar alguns usuários no banco de dados. Isso pode ser feito com fixtures.

O que são fixtures?
Fixtures são conteúdos de um modelo — ou modelos — que serão carregados no banco de dados para a execução dos testes.

As fixtures podem ser carregadas através de SQL (INSERT INTO ...), arquivos CSV ou, preferencialmente, arquivos YAML. Cada arquivo YAML de conter dados de um único modelo. O nome do arquivo de fixtures deve ser igual ao nome da tabela do banco de dados com a extensão .yml. O Rails cria estes arquivos para você, automaticamente, toda vez que você cria uma migração ou modelo.

# Read about fixtures at http://ar.rubyonrails.org/classes/Fixtures.html
one:
  id: 1
two:
  id: 2

O arquivo de fixtures é composto por diversos blocos que são equivalentes a registros do banco de dados. Lembre-se: use tabulação separadas por espaços. Vamos editar o arquivo "test/fixtures/users.yml" para adicionar alguns usuários válidos.

bart:
  id: 1
  name: Bart Simpson
  email: bart@simpsons.com
  password: test

krusty:
  id: 2
  name: Krusty The Clown
  email: krusty@simpsons.com
  password: test

Agora, abra o arquivo "test/unit/post_test.rb" e carregue as fixtures de usuários.

fixtures :posts, :users

O mais interessante de se utilizar fixtures é que você recebe automaticamente um método com o mesmo nome da tabela de banco de dados e cada registro pode ser acessado pelo nome — bart e krusty, no nosso caso — que você definiu no arquivo de fixtures. Utilize nomes significativos sempre que puder.

Vamos aproveitar e já criar algumas fixtures de posts. Abra o arquivo "test/unit/fixtures/posts.yml" e adicione o texto abaixo.

rails_rules:
  id: 1
  title: Rails rules
  body: Rails is a killer framework built with Ruby
  created_at: <%= Time.now %>
  updated_at: <%= Time.now %>
  user_id: 1
  allow_comments: false

ruby_rules:
  id: 2
  title: Ruby also rules
  body: Ruby is a charming language
  created_at: <%= Time.now %>
  updated_at: <%= Time.now %>
  user_id: 1
  allow_comments: true

Sim, você pode utilizar código Ruby dentro do arquivo de fixtures! Isso é extramente útil quando você precisa chamar algum método de um modelo (para criptografar a senha, por exemplo) ou trabalhar com datas, como é o nosso caso.

Vamos preparar a nossa classe, adicionando o método create, da mesma maneira que criamos nos testes do modelo User.

require File.dirname(__FILE__) + '/../test_helper'

class PostTest < Test::Unit::TestCase
  fixtures :posts, :users

  # Replace this with your real tests.
  def test_truth
    assert true
  end

  private
    def create(options={})
      Post.create({
        :title => 'Title',
        :excerpt => 'Excerpt',
        :body => 'Body',
        :allow_comments => true,
        :user_id => 1
      }.merge(options))
    end
end

Nossos primeiros teste irão validar os campos obrigatórios.

def test_should_be_invalid
  post = create(:title => nil, :excerpt => nil,
      :body => nil, :allow_comments => nil, :user_id => nil)
  assert_invalid post, "Post shouldn't be created"
end

def test_should_require_title
  post = create(:title => nil)
  assert post.errors.invalid?(:title), ":title should be required"
  assert_invalid post, "Post shouldn't be created"
end

def test_should_require_body
  post = create(:body => nil)
  assert post.errors.invalid?(:body), ":body should be required"
  assert_invalid post, "Post shouldn't be created"
end

def test_should_require_author
  post = create(:user_id => nil)
  assert post.errors.invalid?(:user_id), ":user_id should be required"
  assert_invalid post, "Post shouldn't be created"
end

O resumo pode ter no máximo 250 caracteres mas é opcional. Então vamos aos testes.

def test_should_accept_excerpt
  post = create(:excerpt => 'Testing excerpt')
  deny post.errors.invalid?(:excerpt), ":excerpt should have been valid"
  assert_valid post
end

def test_should_deny_long_excerpt
  post = create(:excerpt => "a" * 251)
  assert post.errors.invalid?(:excerpt), ":excerpt should have had an error"
  assert_invalid post, "Post shouldn't be created"
end

Temos que verificar agora se o usuário existe e se o post foi corretamente associado a ele. Nossos testes:

def test_should_deny_non_integer_user
  post = create(:user_id => 'a')
  assert post.errors.invalid?(:user_id), ":user_id should have had an error"
  assert_invalid post, "Post shouldn't be created"

  post = create(:user_id => 1.397)
  assert post.errors.invalid?(:user_id), ":user_id should have had an error"
  assert_invalid post, "Post shouldn't be created"
end

def test_should_check_post_authorship
  # check all fixtures were loaded
  assert_equal 2, users(:bart).posts.size, "user should have had 2 posts"

  # assign a post without user_id
  post = create(:user_id => nil)

  # then, assign a post using the relationship method
  users(:bart).posts << post

  #now, check if user have one more post
  assert_equal 3, users(:bart).posts.size, "user should have had 3 posts"

  # assign a post to a user that doesn't exist
  post = create(:user_id => 100)
  assert post.errors.invalid?(:user), "User doesn't exist, so it should be required"
end

E aqui temos um novo método de asserção: assert_equal. Esse método verifica se dois valores são iguais. Veja alguns métodos de asserção que você pode usar.

assert(boolean, message)
Se o parâmetro boolean for nil ou false a asserção irá falhar.
assert_equal(expected, actual, message)
assert_not_equal(expected, actual, message)
A asserção irá falhar a menos que expected e actual sejam iguais/diferentes.
assert_nil(object, message)
assert_not_nil(object, message)
A asserção irá falhar a menos que object seja/não seja nil.
assert_raise(Exception, ..., message) { block... }
assert_not_raise(Exception, ..., message) { block... }
A asserção irá falhar a menos que block dispare/não dispare um erro da exceção especificada.
assert_match(pattern, string, message)
assert_no_match(pattern, string, message)
A asserção irá falhar a menos que string seja/não seja correspondente à expressão regular pattern.
assert_valid(record)
Falha a menos que record não tenha erros de validação.

Na parte dois deste artigo você verá outros métodos de asserção disponíveis para testes dos controllers.

E ao rodarmos os testes unitários, temos...

~/blog$ rake test:units
Loaded suite /usr/lib/ruby/1.8/rake/rake_test_loader
Started
.FEFFFFF.......
Finished in 0.098366 seconds.

  1) Failure:
test_should_be_invalid(PostTest)
    [./test/unit/../test_helper.rb:30:in `deny'
     ./test/unit/../test_helper.rb:34:in `assert_invalid'
     ./test/unit/post_test.rb:9:in `test_should_be_invalid']:
Post shouldn't be created.
<false> is not true.

  2) Error:
test_should_check_post_authorship(PostTest):
NoMethodError: undefined method `posts' for #<User:0xb7334d2c>
    /usr/lib/ruby/gems/1.8/gems/activerecord-1.15.3/lib/active_record/base.rb:1860:in `method_missing'
    ./test/unit/post_test.rb:49:in `test_should_check_post_authorship'

  3) Failure:
test_should_deny_long_excerpt(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:38]:
:excerpt should have had an error.
<false> is not true.

  4) Failure:
test_should_deny_non_integer_user(PostTest)
    [./test/unit/../test_helper.rb:30:in `deny'
     ./test/unit/../test_helper.rb:34:in `assert_invalid'
     ./test/unit/post_test.rb:44:in `test_should_deny_non_integer_user']:
Post shouldn't be created.
<false> is not true.

  5) Failure:
test_should_require_author(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:26]:
:user_id should be required.
<false> is not true.

  6) Failure:
test_should_require_body(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:20]:
:body should be required.
<false> is not true.

  7) Failure:
test_should_require_title(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:14]:
:title should be required.
<false> is not true.

15 tests, 21 assertions, 6 failures, 1 errors

... uma verdadeira catástrofe! Um erro no teste test_should_check_post_authorship nos diz que o método posts não existe. Mas parando para pensar, faz todo sentido, já que nós ainda não definimos o relacionamento entre os modelos. Vamos tratar este erro apenas colocando o relacionamento no modelo User.

class User < ActiveRecord::Base
  has_many :posts, :dependent => :destroy

  #[...]
end

Note que apenas exibi o código relevante a esta alteração; as validações anteriores permanecem e são representadas aqui por #[...]. Após adicionar esta linha, você já tem o relacionamento entre posts e usuários e se você rodar os testes agora, apenas as falhas serão exibidas.

~/blog$ rake test:units
Loaded suite /usr/lib/ruby/1.8/rake/rake_test_loader
Started
.FFFFFFF........
Finished in 0.142015 seconds.

  1) Failure:
test_should_be_invalid(PostTest)
    [./test/unit/../test_helper.rb:29:in `deny'
     ./test/unit/../test_helper.rb:33:in `assert_invalid'
     ./test/unit/post_test.rb:9:in `test_should_be_invalid']:
Post shouldn't be created.
<false> is not true.

  2) Failure:
test_should_check_post_authorship(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:63]:
User doesn't exist, so it should be required.
<false> is not true.

  3) Failure:
test_should_deny_long_excerpt(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:38]:
:excerpt should have had an error.
<false> is not true.

  4) Failure:
test_should_deny_non_number_user(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:44]:
:user_id should have had an error.
<false> is not true.

  5) Failure:
test_should_require_body(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:20]:
:body should be required.
<false> is not true.

  6) Failure:
test_should_require_title(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:14]:
:title should be required.
<false> is not true.

  7) Failure:
test_should_require_user(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:26]:
:user_id should be required.
<false> is not true.

16 tests, 25 assertions, 7 failures, 0 errors

Vamos às validações mais triviais utilizando o método validates_presence_of.

class Post < ActiveRecord::Base
  validates_presence_of :title
  validates_presence_of :body
  validates_presence_of :user_id
end
~/blog$ rake test:units
Loaded suite /usr/lib/ruby/1.8/rake/rake_test_loader
Started
..FFF...........
Finished in 0.133536 seconds.

  1) Failure:
test_should_check_post_authorship(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:63]:
User doesn't exist, so it should be required.
<false> is not true.

  2) Failure:
test_should_deny_long_excerpt(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:38]:
:excerpt should have had an error.
<false> is not true.

  3) Failure:
test_should_deny_non_number_user(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:44]:
:user_id should have had an error.
<false> is not true.

16 tests, 28 assertions, 3 failures, 0 errors

A coisa já melhorou bastante. As três falhas restantes são relativamente simples de resolver. Primeiro vamos verificar se o user_id é um número.

validates_numericality_of :user_id, :only_integer => true

A falha relativa ao tamanho do resumo pode ser resolvido com uma validação como esta:

validates_length_of :excerpt, :maximum => 250, :if => :check_excerpt?

private
  def check_excerpt?
    !self.excerpt.blank?
  end

E agora, só mais uma falha para corrigir. Estamos ficando bons nisso!

~/blog$ rake test:units
Loaded suite /usr/lib/ruby/1.8/rake/rake_test_loader
Started
..F.............
Finished in 0.149596 seconds.

  1) Failure:
test_should_check_post_authorship(PostTest) [./test/unit/post_test.rb:67]:
User doesn't exist, so it should be required.
<false> is not true.

16 tests, 32 assertions, 1 failures, 0 errors

Para corrigir esta falha, você deve primeiro definir que um post está associado a um usuário. Nós fizemos apenas o outro caminho, dizendo que um usuário possui diversos posts. Altere o seu modelo Post, adicionando o relacionamento belongs_to :user. Agora, você poderá adicionar as validações relativas a esta falha.

class Post < ActiveRecord::Base
  belongs_to :user

  validates_associated :user
  validates_presence_of :user
  #[..]
end

Perceba que estamos validando a presença do atributo/método user e não user_id. A mesma coisa está sendo feita na segunda parte do teste test_should_check_post_authorship. Isso deve ser feito para se validar a associação entre um post e um usuário, de modo que o usuário deve realmente existir; caso contrário, teriamos uma associação incorreta no teste, já que o usuário com id 100 não existe.

Parabéns! Mais um modelo foi devidamente testado.

~/blog$ rake test:units
Loaded suite /usr/lib/ruby/1.8/rake/rake_test_loader
Started
................
Finished in 0.141916 seconds.

16 tests, 32 assertions, 0 failures, 0 errors

Falta apenas mais um modelo para testarmos: são os comentários. Crie o modelo Comment e abra o arquivo de migração "db/migrate/003_create_comments.rb". Ele deve se parecer com isto:

class CreateComments < ActiveRecord::Migration
  def self.up
    create_table :comments do |t|
      t.column :post_id, :integer, :null => false
      t.column :name, :string, :limit => 100, :null => false
      t.column :email, :string, :limit => 100, :null => false
      t.column :url, :string, :limit => 255, :null => true
      t.column :created_at, :datetime
      t.column :active, :boolean, :default => false, :null => false
      t.column :body, :text, :null => false
    end
  end

  def self.down
    drop_table :comments
  end
end

Os requisitos para este modelo são:

Execute a migração e abra o arquivo "test/unit/comment_test.rb". Vamos criar nossos testes. Os testes são muito semelhantes aos criados anteriormente, por isso, irei apenas colocá-los aqui, sem explicações.

require File.dirname(__FILE__) + '/../test_helper'

class CommentTest < Test::Unit::TestCase
  fixtures :comments, :posts

  def test_should_be_created
    comment = create(:post_id => posts(:ruby_rules).id)
    assert_valid comment
  end

  def test_should_be_invalid
    comment = create(:email => nil, :name => nil, :url => nil, :body => nil)
    assert_invalid comment, "Comment shouldn't be created"
  end

  def test_should_require_name
    comment = create(:name => nil)
    assert comment.errors.invalid?(:name), ":name should have had an error"
    assert_invalid comment, "Comment shouldn't be created"
  end

  def test_should_require_email
    comment = create(:email => nil)
    assert comment.errors.invalid?(:email), ":email should have had an error"
    assert_invalid comment, "Comment shouldn't be created"
  end

  def test_should_deny_bad_email
    comment = create(:email => 'bad@format')
    assert comment.errors.invalid?(:email), ":email should be in a valid format"
    assert_invalid comment, "Comment shouldn't be created"
  end

  def test_should_require_comment
    comment = create(:body => nil)
    assert comment.errors.invalid?(:body), ":body should have had an error"
    assert_invalid comment, "Comment shouldn't be created"
  end

  def test_should_require_post
    comment = create(:post_id => nil)
    assert comment.errors.invalid?(:post_id), ":post_id should have had an error"
    assert_invalid comment, "Comment shouldn't be created"

    comment = create(:post_id => 100)
    assert comment.errors.invalid?(:post), "Post doesn't exist so it should be required"
  end

  def test_cannot_comment_because_post_is_closed
    comment = create(:post_id => posts(:rails_rules).id)
    assert_invalid comment, "Comment shouldn't be created"
  end

  private
    def create(options={})
      Comment.create({
        :email => 'burns@simpsons.com',
        :name => 'Mr Burns',
        :url => 'http://thesimpsons.com/burns/',
        :body => "Get em', Smithers.",
        :post_id => 2
      }.merge(options))
    end
end

Abra também o arquivo "test/fixtures/comments.yml" e adicione as fixtures abaixo:

comment_on_ruby_post:
  id: 1
  name: Bart Simpson
  email: bart@thesimpsons.com
  url: http://thesimpsons.com/bart
  body: Heya!
  post_id: 2
  created_at:
  active: 0

another_comment_on_ruby_post:
  id: 2
  name: Bart Simpson
  email: bart@thesimpsons.com
  url: http://thesimpsons.com/bart
  body: Heya!
  post_id: 2
  created_at:
  active: 0

comment_on_rails_post:
  id: 3
  name: Principal Skinner
  email: skinner@thesimpsons.com
  url: http://thesimpsons.com/skinner
  body: Bart, you'll be in detention forever!
  post_id: 1
  created_at:
  active: 1

Ao executar estes testes teremos muitas falhas e apenas 1 erro. Novamente, o erro está ligado ao relacionamento que não criamos. Para corrigí-lo, altere o modelo Post.

class Post < ActiveRecord::Base
  has_many :comments, :dependent => :destroy
  #[...]
end

Para validar nosso modelo, basta adicionar os validadores abaixo:

class Comment < ActiveRecord::Base
  belongs_to :post

  validates_associated :post
  validates_presence_of :post
  validates_presence_of :post_id
  validates_numericality_of :post_id, :only_integer => true

  validates_presence_of :name
  validates_presence_of :email
  validates_presence_of :body, :message => "Don't you wanna comment this post?"
  validates_format_of :email, :with => /^([^@\s]+)@((?:[-a-z0-9]+\.)+[a-z]{2,})$/i

  private
    def validate
      if post
        errors.add_to_base("Comments are closed") unless post.allow_comments
      end
    end
end

A única coisa que você pode estranhar é o método validate. Nele, verifico se um post foi passado para, então, checar se o post está aberto para comentário ou não.

Dicas e considerações

Autotest

Se você se irrita em ter que executar manualmente o rake test:units ou acha que testar é muito lento, dê uma olhada no ZenTest, especificamente no autotest. O autotest roda os testes para você automaticamente e o que é melhor, apenas os métodos que foram alterados. Dessa forma, você tem um feedback muito mais rápido.

Para instalá-lo, execute sudo gem install zentest --include-dependencies -y. Depois, basta executar autotest na raíz do seu aplicativo. No nuby on rails tem um screencast mostrando o autotest em funcionamento.

Usando o logger dentro dos métodos de teste

Se você, por alguma razão, quiser uilizar o logger dentro dos Testes de Unidade, adicione o seguinte método como helper de teste.

def logger
  RAILS_DEFAULT_LOGGER
end

Lembre-se que isso também pode ser feito no seu modelo.

Teste, codifique, teste, codifique

Você pode demorar algum tempo até se acostumar em testar antes de codificar, mas acredite, vale muito a pena! Você se torna mais produtivo e seu código terá menos bugs. Quanto mais completo seus testes forem, maior a certeza de que tudo está funcionando como deveria. O caminho contrário — codificar primeiro, testar depois — pode parecer mais fácil no começo, mas à medida que seu código cresce, você acabará esquecendo de testar alguma funcionalidade importante. Se isso acontecer, torça para que não aconteça nenhum bug.

Nossa, seu exemplo não é nada DRY

Não sei se você percebeu mas as mensagens de erro se repente em diversos testes. Fiz isso para deixar o exemplo o mais didático possível. Se isto te incomoda, remova todas as mensagens. Elas são opcionais.

Queima! Ele não criptografou as senhas....

No nosso exemplo, a senha foi armazenada sem nenhum tipo de criptografia. Nunca, jamais, em hipótese alguma, armazene informações importantes como a senha de maneira "raw". Não fiz isso aqui para não complicar.

E para finalizar...

Os seus testes podem ser mais completos que estes que fizemos. Se você não tem idéia do que testar, faça sempre uma lista dos requisitos para resolver o problema em questão. Do ponto de vista técnico, procure por projetos desenvolvidos em Rails e analise a suíte de testes. Com certeza você encontrará muito coisa legal.

A continuação deste artigo será sobre Testes Funcionais. Não tenho a menor idéia de quando irei escrevê-lo, mas espero que não demore. Dúvidas, críticas ou sugestões? Poste um comentário!